Vereadores consideram abusivo o aumento da passagem de ônibus em Macapá.

por danielle.duarte — publicado 09/09/2015 15h04, última modificação 09/09/2015 15h04

      A Comissão de Viação e Transporte da Câmara de Vereadores de Macapá–CVT, presidida pelo vereador Diego Duarte(PP), esteve reunida nesta sexta feira(04), em caráter ordinário, para discutir as providências que serão tomadas diante do novo reajuste na passagem de ônibus na capital.

         Para os integrantes da comissão, o aumento homologado pela justiça, é abusivo, sendo mais uma tentativa das empresas de passar por cima do órgão competente para discutir o assunto, que é a Câmara de Vereadores.

        A CVT argumenta que desde o ano passado o SETAP tem sido chamado a participar de debates na Câmara, para que, junto com os vereadores, possa realizar os estudos necessários e, posteriormente, construir uma tabela de reajuste que seja viável, tanto para as empresas como para os usuários do transporte coletivo.

      “Apesar dos inúmeros convites e convocações, o sindicato das empresas nunca demonstrou interesse de discutir a questão. A impressão que temos é de que as empresas querem mesmo é a imposição diante da prefeitura e da câmara, que são os órgãos competentes para editar as regras referentes ao transporte coletivo do município”. Explica Duarte.

    O vereador questiona um posicionamento mais firme e providências necessárias, por parte da Prefeitura, para combater o “radicalismo dos empresários”. Ele entende que a PMM, sendo a dona da concessão do serviço, deveria editar regras e exigências, tanto para os valores das tarifas, como para a qualidade dos serviços oferecidos pelas empresas.

       Para Diego Duarte, o argumento do SETAP de comprar ônibus novos, não justifica o reajuste de R$ 0,65 (Sessenta e cinco centavos) em cima do atual valor da passagem. “Mas foi com essa proposta que os empresários conseguiram a autorização da justiça para aumentar a passagem, e pior, com a concordância da prefeitura”. Declara o vereador.

     “A aquisição de ônibus novos deve ser uma obrigação das empresas, que precisam renovar as frotas, substituindo os veículos que já estão com tempo de uso ultrapassado, assim como também as empresas, precisam melhorar a qualidade dos serviços oferecidos à população, mas a conta dessa substituição de veículos não pode ser atribuída ao usuário. Não podemos concordar com esses acordos que só representam prejuízos para a população, principalmente nessa época de crise”. Aditou o presidente da CVT.

           A Comissão de Viação e Transporte da CMM pretende travar um amplo debate no plenário da Casa nas próximas sessões, no sentido de cobrar providências urgentes para o ajustamento definitivo da questão.

     Os vereadores querem que a prefeitura assuma o seu papel de regulamentar e gerir o sistema de transporte no Município de Macapá.